Ser músico é persistir

PrintFigurinha carimbada nos rolês rock da adolescência, Ruben Domingues, estagiário do Observatório de Turismo, curte desde Deep Purple até Blink 182, além de muitos outros gigantes entre os dois. Com tantas influências, era certo o gosto pela música e a vontade de tocar um instrumento. Depois de tentar o teclado, por insistência da mãe, resolveu que gostava mais das cordas. Com a ajuda de Bruno, amigo e guitarrista da Mysteries of Beyond- sua primeira banda -, os acordes maiores e menores foram garantidos. E, antes do YouTube, o mais eficaz era aprender as músicas através das tablaturas que saíam nas revistinhas.

“Como ser o Alex Turner não é para qualquer um, viver de música é difícil. Ter uma banda depende de comprometimento, mas sinto falta de fazer parte de uma”, conta Ruben. Quando o tempo permite, ele ainda risca um Fluorescent Adolescent, do Arctic Monkeys, ou um dos clássicos do Sum 41.

A música é um método utilizado para melhorar a concentração e o interesse das crianças e de quem se interessar por aprender – essa dica é parte fundamental na vida de Ruben. “Tudo que eu desejo ser bom, tenho que praticar e dedicar tempo, daí o resultado aparece. Aprendi isso com a música”.

Ruben Domingues e sua guitarra.
Ruben Domingues e sua guitarra.